Warning: session_start(): Cannot send session cookie - headers already sent by (output started at /home/discove1/public_html/news/header.php:4) in /home/discove1/public_html/news/header.php on line 9

Warning: session_start(): Cannot send session cache limiter - headers already sent (output started at /home/discove1/public_html/news/header.php:4) in /home/discove1/public_html/news/header.php on line 9
discoverazores.org

Mais Notas

2019-02-17

Montanha Pico Festival V


Foi a quinta edição do Montanha Pico Festival que coloriu a ilha do Pico com arte e aventura, durante todo o mês de janeiro. Mais de 30 artistas de várias ilhas dos Açores, da Madeira, do continente português e de 12 países colaboraram em 20 eventos públicos e ainda programas de desenvolvimento como o PedrArte.
Noites de Cinema no Museu dos Baleeiros, todas as terças, e ainda uma sessão especial no Auditório da Madalena, levaram as audiências a montanhas remotas, cenários desconhecidos e histórias muito familiares. As famosas Tardes de Chá aos domingos este ano passaram por várias localidades da ilha. Os já tradicionais eventos aventura de Subida ao Pico com Música, este ano, contou com o acordeão de Nuno Carpinteiro e a Caminhada dos Vulcões, liderada pelo diretor do Parque Natural do Pico, Paulino Costa, e a Expedição Fotográfica Nocturna atraíram novas audiências para a associação. Exposições a solo nos três concelhos da ilha com as pinturas acrílicas de Verónica Melo (Casa das Tisanas, São Roque do Pico), cerâmica em madeira de Inês Ribeiro (Atlântico Teahouse, Madalena), pinturas a óleo de Connor de Jong (Museu dos Baleeiros, Lajes do Pico) e ainda a exposição coletiva de fotografia na Foto_Galeria nos Bombeiros da Madalena, ficam patentes até à primavera. Entre os eventos especiais, a literatura foi o tema com Manuel Tomás e Miguel Real com participação de Filomena Oliveira e a noite de música abraçou, além do acordeão, o saxofone de Luis Senra e a gaita de foles de Gonçalo Cruz. Montanha Pico Festival é um projeto da MiratecArts que abraça projetos artísticos na temática da cultura montanhosa, incentiva à conversa sobre os assuntos ambientais e tem o apoio da Direção Regional do Ambiente.

PedrArte

MiratecArts apresentou um novo programa para o Montanha Pico Festival, onde artistas fizeram propostas de projetos inspirados, trabalhados ou usando a pedra da ilha do Pico. Mais de 50 propostas chegaram à associação e na quinta edição do festival, que aconteceu em janeiro 2019, artistas de 12 países apresentaram-se e à sua arte, na MiratecArts Galeria Costa. Desde instalação, land-art, escultura e até um projeto de som e de ilustração, os artistas eram livres de desenvolver o seu trabalho, tendo como único requisito o de haver uma conexão à pedra vulcânica basáltica. Entre os participantes incluiuram-se Helena Amaral, Amílcar Goulart, Andreia Sousa, Verónica Melo, Inês Ribeiro, Nelson Lopes, Carlos Sousa, Juliana Ferreira, Jorge Santos, Thierry Ferreira, Beatriz M Barrio, Javier Melguizo, Hanni Angermann, Elina Lundahl, Molly Macleod, Nina Swistel, Johannes C Gerard, Rochyne Delaney McNulty, Nancy Yule e Qin Zhang que marcou a presença do país 60, sendo a primeira artista da China, dos mais de 1750 artistas que no s passados 7 anos vieram ao Pico para participar com a MiratecArts. A associação pretende continuar com o programa PedrArte para a edição do Montanha 2020 com propostas aceites até setembro 2019.

2351 - o filme documentário

A antestreia do filme documentário 2351, de Pedro Canavilhas, aconteceu no Montanha Pico Festival. Com a presença do realizador/produtor e da personagem principal, o guia mais famoso da montanha do Pico, Renato Goulart, o Auditório da Madalena repleto de amigos, fãs e curiosos encheu-se de picarotos e visitantes.
2351 é um documentário sobre a relação íntima do Homem com a montanha no meio do oceano Atlântico. No centro deste documento perceptual encontra-se Renato Goulart, o homem que já subiu a montanha mais alta de Portugal mais de 2000 vezes e que pretende chegar, em breve, às 2351 subidas. Subida após subida, num período descontinuado de vários meses, o filme constrói um retrato intimista e eremítico do Homem e da Ilha - dois discursos onde as narrativas pessoais e picarotas convergem.
Depois desta primeira apresentação, B´lizard vai editar uma versão para audiências internacionais e a MiratecArts pretende apoiar a promoção do filme para que chegue não só às outras ilhas mas também a festivais internacionais.



DEIXE A SUA OPINIÃO
LEAVE YOUR OPINION

OUTRAS NOTÍCIAS
OTHER NEWS

Workshops no Fringe

2019-05-23 07:02:12

O Azores Fringe aposta na educação

LER +

Fringe arranca nas Lajes das Flores

2019-05-19 21:04:07

Azores Fringe arranca no ponto mais ocidental d...

LER +