Warning: session_start(): Cannot send session cookie - headers already sent by (output started at /home/discove1/public_html/news/header.php:4) in /home/discove1/public_html/news/header.php on line 9

Warning: session_start(): Cannot send session cache limiter - headers already sent (output started at /home/discove1/public_html/news/header.php:4) in /home/discove1/public_html/news/header.php on line 9
discoverazores.org

Crónica por Carolina Cordeiro

2017-05-30

Um sonho, dois sonhos, todos os sonhos

por Carolina Cordeiro
    
Desde criança que projetamos sonhos. Todos os sonhos do mundo são apetecíveis e possíveis. Ser astronauta ou bombeiro, professora ou enfermeira era o sonho da minha geração. Hoje, o sonho passa pela diferença, pela visibilidade que se pode ter ou por tudo aquilo que se pode mostrar. E, entre um e outro, há o sonho de fazer mostrar o sonho de criança.
  
  A criança que fomos cresceu e encanta-se com as imensas possibilidades que se pode ter com os avanços da tecnologia. A criança que fomos cresceu e sente saudades do encanto do seu tempo. A criança que fomos cresceu e colou um sonho antigo à modernidade da sua realidade: o sonho torna-se vivo.
    
Há cinco anos, eu e mais uma mão cheia de artistas sonhadores colocámos a expetativa na novidade dum projeto a quem poucos davam crédito. Fomos turistas numa ilha que desconhecíamos, artistas convidados para falar da sua arte, fomos público atento e em número imenso, em alma; fomos os assistentes do diretor, os assistentes dos técnicos do som, os assistentes dos assistentes que carregavam tudo o que havia para carregar e montámos o palco do evento seguinte, em qualquer sítio que abrisse a sua porta para ver crescer o sonho de um picaroto. Em dez dias, demos a volta à ilha, conversámos, parámos, rimos, lemos, escrevermos, dançámos e vimos tudo isso a acontecer. Vimos a montanha a desabrochar e a aumentar ainda mais de tamanho, à medida que a ela nos chegávamos e, perante o nosso olhar cativante, um olhar de quem sentia no coração e na pele, a magia de estar a participar no início de algo foi algo que há muito a nossa geração de artistas açorianos precisava. Foi o nascer do Azores Fringe Festival.
    
Cinco anos volvidos desse desembarque fulgurante do futuro nas nossas mãos, o sonho materializou-se. Melhor, dois sonhos concretizaram-se num abrir e fechar de olhos: o festival de artes dos Açores ganhava uma proporção internacional jamais vista e o passado voltava à vida, numa noite muito digna desse nome.
    
Numa celebração do quinto ano de levar a arte às pessoas, onde se viveu o abraço daqueles que nos últimos anos nos fizeram companhia; onde se sentiu a alegria de conhecer os novos artistas, abrindo-lhes a porta da família “fringena”; onde se sentiu o amor destas gentes pelo trabalho que desenvolvem com o seu barro, com as suas escamas, com as suas pedras negras ou com tudo aquilo que a Natureza lhes dá, eles recriam, transformam o nada em algo para que esse nada esteja presente em todos os instantes que nos deixamos absorver pela magnitude do sítio onde estamos — de pequenas freguesias a grandes encontros de autores.
    
Géneros diferentes, perspectivas distintas, modos de vida e de ver o mundo tão díspares que o círculo das 96 horas não bastou para dizer o quão salutar é viver nessa mistura heterogénea de palavras. Tudo à volta foi motivo de inspiração, foi elemento criador do erotismo da partilha, foi o mote da crítica realista das nossas antitéticas vivências. Todos os espaços foram hospedeiros dos novos livros, das novas frases criadas para sustentar o sonho que cada um tem de si e para si.
    
Dentro desse mar imenso das nossas artes, arte que nos sai pelos poros e nos cativa a energia para fazer mais e mais e ainda mais, nasce o fechar de um ciclo, uma emoção por demais forte para quem viu, lá atrás no tempo, outro sonho a nascer. De todos os eventos programados para este fim de semana literário, de todos os instantes proporcionados, onde cada artista abriu as suas portas, expôs a sua visão e do que sentiu, houve um que, a mim, me encheu de orgulho em vê-lo de pé e com uma energia inesgotável. A abertura da Paim Book House, em Stª Luzia, é o segundo sonho, tornado realidade, que vi acontecer, neste final de semana de maio.
    
De uma casa do passado, de uma promessa de família, nasce uma casa onde se respira arte, se consome arte por todos os sentidos do nosso ser e por onde se aprende a ser cativado pela beleza de se estar vivo. Há cinco anos atrás, a casa era um farrapo: chão a desabar, paredes sujas, tetos esburacados onde nem mesmo o brilho das estrelas, à noite, era encantador. Para mim, confesso, não o era. Mas eu não era a pessoa que queria ver o seu sonho ser realidade. Esse era o sonho do meu queridíssimo Manél. Um sonho que teve de lutar contra a racionalidade do séc. XXI, contra a dificuldade da economia regional e contra o pressuposto do que as coisas deveriam ser. As coisas devem ser apenas aquilo que nós querermos que elas sejam e este nicho de cultura é aquilo que o seu sonhador quis que fosse. E chorei. Deus, como chorei ao reentrar, novamente, naquele espaço! As lágrimas vieram de dentro, sem contar com elas. Nasceram de um lugar que nem sabia ter. Brotaram por um corpo que se viu a tremer por sentir-se a flutuar na beleza de um “era uma vez um sonho, bem-vindos à realidade”. Era o início da procura de um outro sonho.
  
  É para recordar estas datas de maio de 2017: sentir o maravilhoso peso de se estar a viver o sonho daqueles que fazem os meus sonhos nascerem. E, meus caros, isso é Fringe! #azoresfringe


DEIXE A SUA OPINIÃO
LEAVE YOUR OPINION

OUTRAS NOTÍCIAS
OTHER NEWS

Vitor Oliveira do AnimaPIX ao WB Festiva...

2017-12-10 23:07:02

AnimaPIX promete mais oportunidades no futuro ...

LER +

Anime encerra AnimaPIX

2017-12-02 09:41:16

Anime, o melhor do cinema japonês apresen...

LER +